30 de abr de 2007

COLUNA DO EDIO ELÓI FRIZZO - 30.04.07

Respeito aos idosos no trânsito
Seguidamente observamos cenas que agridem nossos olhos. Pessoas de idade obrigadas a correr para não serem atropeladas. O respeito aos mais velhos acabou? Quantas e quantas vezes podemos enxergar idosos de pé em coletivos, enquanto que os mais jovens estão sentados, tranqüilos, como se tudo estivesse certo? Precisamos reagir e começar a nos cobrar sobre as boas maneiras, o cavalheirismo e principalmente sobre o respeito. Precisamos articular a realização de atividades em todos os níveis para que sejam resgatados os comportamentos e ações de todos: dos motoristas, dos passageiros de ônibus, dos pedestres, da própria fiscalização de trânsito, que anda alheia aos fatos. Realmente, só com a ação coletiva poderemos modificar a atual situação de respeito ou desrespeito aos idosos.
A dengue chegou em Caxias do Sul
A dengue, apesar de todos as visitas dos agentes de saúde de nossa cidade, acaba de aportar e produzir as suas primeiras vítimas. No Estado do Rio Grande do Sul, o número de ocorrências já está próximo de 400, e a mobilização da comunidade ainda não aconteceu. É preciso um grito de alerta para que as Secretarias de Saúde e, principalmente, a 5ª Coordenadoria Regional de Saúde, que tem base em Caxias, organizem o movimento de travamento da dengue e do seu mosquito transmissor. É necessário que os dados relativos à questão da dengue em Caxias sejam colocados de forma transparente, para que a comunidade conheça o perigo que está correndo; só assim teremos mobilização e as pessoas não confundirão os sintomas da dengue com uma simples gripe, tão comum na nossa região. O alerta está feito e esperamos reação adequada das autoridades de saúde.
1º de Maio
Neste 1° de maio precisamos comemorar de uma forma mais ampla o Dia do Trabalhador. Comemorar e ao mesmo tempo meditar sobre a Emenda 3 da Lei da Super Receita que, se não for vetada, permitirá a contratação de pessoas, de forma que os direitos trabalhistas conquistados sejam deixados de lado e, com certeza, a nova forma de contratação produzirá um novo tipo de trabalhador: o trabalhador sem direitos trabalhistas, o excluído do processo normal de contratação. Imaginem os senhores: se já é difícil controlar as contratações no atual modelo de fiscalização, o que acontecerá daqui para frente se a Emenda 3 não for vetada?
Maioridade penal
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal aprovou o texto da Lei que modifica a idade penal. Todos os cidadãos, a partir de 16 anos, e principalmente os que cometerem crimes hediondos, receberão tratamento diferente do que acontecia. Perguntamos se estas medidas irão diminuir a violência neste país, que não oferece condições adequadas de educação, trabalho, habitação e saúde; que não oferece um judiciário capaz de frear ações de delinqüência que ocorrem em cadeia e envolvendo todas as camadas de nossa sociedade.Com certeza esta é mais uma medida paliativa que antecederá uma série de outras que, igualmente, não diminuirão os crimes e a violência. Precisamos de uma reforma geral que resgate os princípios mais elementares da convivência humana. Até quando iremos assistir passivamente?
Audiências públicas
Continuam acontecendo as audiências públicas na Câmara de Caxias do Sul para avaliar o Plano Diretor Municipal. No mês de maio as audiências acontecerão nos dias 03 e 04, sempre das 14 às 16 horas. A participação de todos é importante para que possamos conhecer como deverá ser o futuro de nossa cidade.
Causos e anedotas políticas (IV)
Conhecido vereador de nossa cidade, em viagem para São Paulo, hospedou-se num hotel que realizava um grande evento sindical. Precisando se deslocar até o salão principal do hotel, onde seria realizado o evento, toma o elevador, que já trazia um outro senhor. O nosso conhecido vereador, com um largo sorriso e olhando fixamente para um bóton que o tal senhor trazia na gola do casaco, lhe dirige a palavra dizendo que é um grande apaixonado pelo seu CTG em Caxias e que estava muito feliz de encontrar um tradicionalista gaúcho na grade metrópole de São Paulo. Nosso vereador também trazia na gola da camisa um bonito bóton do seu CTG e mostrava para o outro passageiro do elevador, que passou a ficar intrigado, afirmando não estar entendo nada sobre o assunto e dizendo desconhecer o significado do bóton que o vereador portava. Assustado e até meio envergonhado, o nosso representante percebeu que havia cometido uma "gafe" quando olhou novamente para o bóton do senhor e leu: CGT - Central Geral de Trabalhadores, e não CTG - Centro de Tradições Gaúchas. A "gafe" foi presenciada por outro vereador que se encontrava no mesmo evento, o qual se encarregou de espalhar a “anedota”. Mui amigo..........

5 comentários:

Anônimo disse...

HOSPITAL GERAL
A todo momento ouve-se falar do Hospital Geral, das dificuldades e da falta de investimentos para as diversas atividades. Polêmicas e mais polêmicas em todos os assuntos que envolvem o nosso Hospital do Trabalhador. Décadas para ver a sua construção concluída e agora décadas de falta de recursos, de falta de equipamentos, de falta de investimentos e principalmente da falta de um consórcio intermunicipal para a gestão administrativa-financeira. Inúmeros municípios trazem seus pacientes praticando apenas a ambulancioterapia. Outros trazem de ônibus. Na hora de participar financeiramente dizem não poder, pois não tem recursos. Chego a conclusão que saúde na serra não é coisa importante ou séria. Mais de uma dezena de municípios se consorciaram e criaram a Adcointer ou Ceasa-Serra, foram participativos, solícitos, integraram-se, mas para a saúde e para o Hospital Geral as dificuldades são quase que intransponíveis. O que está faltando, no meu entender, é falta de vontade política ou falta de lideranças com visão de futura que queiram fazer do HG uma instituição de sucesso, bem mais do que ele consegue sem a participação dos demais municípios. Prefeitos da serra, caim na real e abram seus olhos para o HOSPITAL GERAL DE TODOS e não só de Caxias do Sul.

Anônimo disse...

Redução da maioridade penal permitiria primeira habilitação aos 16 anos
Os adolescentes poderão ser habilitados para conduzir veículos aos 16 anos. Isso é o que prevê um projeto de lei que tramita no Senado e que já foi aprovado pela Câmara. Para constar no novo Código de Trânsito Brasileiro, o documento aguarda o aval da Comissão de Justiça e do Senado.
Um projeto de lei que tramita no Senado, de autoria do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), pretende reduzir a maioridade penal para 16 anos. Segundo o artigo 140 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em vigor desde 1998, para obter a primeira habilitação é necessário ser penalmente imputável, o que ocorreria com a redução da maioridade penal.
O chefe do Detran em Laranjeiras do Sul, José Acioli Alves de Oliveira, não concorda com a medida. Ele acredita, inclusive, que a lei não será aprovada. “Um adolescente de 16 anos não está preparado psicologicamente para conduzir um veículo”, defende. Para a advogada do Detran/PR, Mônica Pimentel de Souza Lobo, o novo projeto de lei fere a Constituição Federal, a qual só pode ser alterada por Emenda Constitucional. “Há uma grande possibilidade desse projeto ser barrado no Senado. A questão ainda está sendo debatida juridicamente, a fim de verificar se o projeto está ou não relacionado a uma cláusula pétrea (que não pode ser modificada)”, afirma.
Contra
Caso seja mudada a lei, o Detran/PR se adequará à nova exigência, mas não antes de reivindicar. “Como vice-presidente da Associação Nacional dos Detrans (AND), irei solicitar ao Denatran, para que o artigo 140 do CTB seja mudado e passe a especificar que a idade mínima para tirar a primeira habilitação seja de18 anos”, defende o diretor geral do Detran, coronel David Antonio Pancotti.
Números
Em 2006, no Paraná, 31% dos processos de primeira habilitação foram abertos por jovens com 18 anos. No mesmo período, 1.614 jovens menores de 18 anos e 42.017 de 18 a 29 anos se envolveram em acidentes no Estado, sem contabilizar os acidentes ocorridos nas rodovias federais.
O projeto de emenda constitucional que reduz a maioridade penal para 16 anos foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, por uma diferença de dois votos. Ainda faltam mais duas instâncias de aprovação no Senado para depois ir para a Câmara Federal e por fim ser aprovada.

Anônimo disse...

FILAS EM BANCOS
Saiba que para você ser atendido adequadamente em um banco, logo ao chegar na fila do caixa, solicite o registro de chegada e atendimento. Caso o atendimetno demore mais de 15 minutos, com a comprovação o banco poderá ser multado.

Anônimo disse...

Lotação
Até quando teremos de achar certo pagar R$ 2,20 pelo transporte das lotações, se é preciso ficar das 18h05min às 18h45min esperando um veículo da linha Ana Rech? Além de a linha contar apenas com quatro carros, muitas vezes ainda é necessário andar em pé, pois os lugares estão todos ocupados.
Vanessa Perozzo - Caxias do Sul

Anônimo disse...

FILA NO ATENDIMENTO BANCÁRIO
A Lei Complementar nº 205, de 12 de agosto de 2003 fixa sanções administrativas aos estabelecimentos bancários quando de abusos ou infrações cometidas contra o consumidor, no que se refere ao tempo de espera para atendimento.
Para efeito desta Lei caracterizam abuso ou infração, de parte dos estabelecimentos bancários, aqueles casos em que, comprovadamente, o usuário seja constrangido a um tempo de espera para atendimento superior a 15 min. (quinze minutos), em dias normais; e 30 min. (trinta minutos), no dia anterior ao início e no primeiro dia útil após os feriados prolongados.
Reza ainda a referida Lei que, para comprovação do tempo de espera, os usuários devem apresentar o bilhete da senha de atendimento (que será fornecido gratuitamente pelos estabelecimentos bancários), onde constará, impresso mecanicamente, o horário de recebimento da senha e o horário de atendimento, sendo que os estabelecimentos bancários que ainda não fazem uso do sistema de atendimento com senhas ficam obrigados a fazê-lo no prazo definido na regulamentação desta Lei.
Efetivamente trata-se de uma Lei que vem ao encontro dos anseios dos consumidores caxienses, entretanto, é preciso estarmos atentos ao fiel cumprimento desta legislação, cabendo ao cidadão denunciar eventuais ofensas à indigitada Lei e ao Poder Público a necessária fiscalização.
O que se espera é que esta Lei seja efetivamente cumprida em todos os seus termos.