25 de jul de 2007

COLUNA DO EDIO ELÓI FRIZZO - 31.07.07

FARMÁCIAS E GENÉRICOS / FARMÁCIA POPULARQuando você se dirige a uma farmácia e solicita um medicamento, se o vendedor não lhe oferecer, além das marcas tradicionais, o genérico, desconfie, pois não é vendedor sério. Ele está apenas preocupado em lhe vender um medicamento e não está pensando em você, na sua economia. Pesquise e compare os preços, pois medicamentos de laboratórios específicos custam "o olho da cara" e não têm nada além do que você encontra nos genéricos. Agora, se você ainda não procurou a Farmácia Popular, então coloque as barbas de molho, pois quando você tomar conhecimento do que é a Farmácia Popular... Lá você encontra medicamentos por preços inacreditáveis. Basta ter a receita e comprovar.PEDÁGIOS COMUNITÁRIOS
A incompetência dos dirigentes do DAER chega a surpreender qualquer pessoa. Ocorre que, na nossa luta para acabar com o modelo explorador de pedágios, nos deparamos com o seguinte fato: a tentativa de desmoralizar e acabar com o reconhecimento do pedágio comunitário. No dia 21 de julho passado, no Pedágio Comunitário de Portão, apenas duas cabines estavam funcionando. As filas de veículos eram enormes. A insatisfação, visível. De quem é o interesse em desmoralizar o pedágio comunitário? As respostas precisam ser dadas urgentemente para a comunidade. Precisamos ver o DAER limpo... Uma CPI seria bem-vinda para repintar e limpar os caminhos do DAER. Ah, e quando será que os valores arrecadados pelos pedágios comunitário deixarão de entrar no caixa único do Estado para serem aplicados com a supervisão popular através dos COREDES?SURPREENDENTE AUMENTO DE PARDAIS NA RS-122 E NA 240O aumento de pardais na RS-122 e na RS-240 está assustando os motoristas. Assusta, pois os equipamentos estão sendo instalados e a sinalização contraria a Lei. Coloca-se uma placa, e o pardal centenas de metros adiante. Em dias de chuva, é quase impossível localizá-los. Para os que usam a estrada pela primeira vez, é quase inevitável não levar uma multa de "recordação" e, assim, o nosso Estado começa a ser odiado por motoristas, turistas e cidadãos que nos visitam. Como poderemos mudar a realidade do nosso Estado com esse novo modelo de governo? É a fúria arrecadatória, tão condenada pelo deputado Zachia, hoje chefe da Casa Civil do governo Yeda.PORTO DE RIO GRANDE (?)Por mais que o nosso governo fale em ampliar as instalações do Porto de Rio Grande, por mais que o governo fale em duplicar a BR-116 até Pelotas, por mais que se fale em desenvolvimento, é importante se afirmar que a bola da vez está nos portos de Santa Catarina, pois lá não existem pedágios que exploram as transportadoras. Sabe-se que o pedágio aumenta em aproximadamente 20% o custo do transporte e das mercadorias comercializadas no país. Os portos que estão crescendo mesmo são: São Francisco do Sul, Itajaí e Imbituba. A coisa está tão boa em Santa Catarina que já estão construindo um novo porto: Itapoá, que será privado. Terá condições de receber os maiores navios do mundo, pois o calado natural é de 16 metros. O novo porto catarinense fica a 133 km de Curitiba e fica bem próximo do porto de São Francisco do Sul. Esse crescimento se explica: em Santa Catarina não tem nenhum modelo de pedágio explorador, pelo menos até agora. Sabe-se que o governo LULA planeja a instalação de praças na BR-116 e, quem sabe, o “paraíso” das estradas públicas sem pedágio pode acabar...LEITE 100% MAIS CARO?Qual a explicação que os economistas dão para o aumento do leite? No início do ano se comprava a R$ 0,97/litro e agora, seis meses depois, nos deparamos com valores de até R$ 2,50 por litro. Pergunto: onde está o governo neste momento? Onde estão os estoques reguladores? Pensando na população pobre: quantos deixaram de tomar o leite de cada dia?As explicações poderiam vir apontando para o inverno, para o período de baixa produção e, novamente, perguntamos: os preços irão cair quando o inverno acabar? Ficaremos observando...PLEBISCITOEntidades em nível nacional estão organizando um plebiscito sobre diversos assuntos latentes e, como não poderia deixar de ser, a prorrogação dos contratos dos pedágios no Rio Grande do Sul será um dos assuntos a serem consultados. Temos certeza de que o NÃO, para este modelo explorador, deverá ser bem "vitaminado".
 

2 comentários:

Anônimo disse...

FIQUE DE OLHO EM CONTAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS
Muitas pessoas não observam o que estão pagando. Simplesmente pagam para não se incomodarem. Deixam de observar uma série de quesitos que muitas vezes não procedem. Cobrança de 2ºs vias, cobranças com diversos títulos, juros, atrasos e algo que no meu entender é pura exploração: os seguros de vida e/ou seguros diversos. Recebi reclamações que me deixaram indignado e que aqui denuncio: cobram de forma vergonhosa e diferente do contratado. Falo da telefonia, do fornecimento de energia elétrica, do fornecimento de água encanada, do fornecimento de gás, dos planos de saúde. Os cidadãos consumidores ficam reféns dos controles burocráticos e da incompetência de muitos que se escondem atrás dos SAC e dos telefones. Uma vergonhosa situação que anda revoltando muitas pessoas.

Anônimo disse...

COOPERATIVAS OU EXPLORATIVAS
Uma onda sem controle de cooperfraudes estão surgindo em nossa cidade. No início tudo é legal e as intenções as melhores possíveis, mas no decorrer do tempo alguns cooperespertalhões ou cooperespertalhonas, protegidos por "empreendedores" desonestos, passam a burlar o regramento estabelecido pela Lei nº 5764/71, e tantos decretos, resoluções, portarias e decisões governamentais, sindicais ou previdenciárias dos que atuam nas áreas de prestação de serviços tanto públicos como privados. Temos na nossa cidade a Sub-delegacia do Trabalho, o Ministério Público do Trabalho e tantos sindicatos e associações que procuram defender o cidadão. Porém, estes órgãos precisam ser auxiliados e devidamente estimulados a perceberem onde estão as fraudes e a exploração do trabalho. O trabalhador que estiver nesta situação precisa se ajudar denunciando situações de exploração. Quero deixar bem claro que não sou contra o sistema cooperativista. Sou apenas contrário à exploração de pessoas por alguns desonestos que burlam a lei para tirar proveito próprio.